search instagram arrow-down

Engessado

Marcelo Bragança Rua

Quando Morte e Nascimento se tornam equivalentes
E “sim” e “não” significam “talvez”
Tudo mais me parece indiferente:
Eu me apaixonei pela última vez.

Quando o Amor nasce e morre no mesmo logradouro
E se tornam idênticos e repetitivos os dias do mês,
A última vez é sempre a primeira:
Eu me apaixonei pela última vez.

Formulo perguntas fadadas a ficarem sem resposta
E tudo que me resta é este abismo imenso:
Atlas suportou o peso dos Céus nas costas,
Porém não suportaria o peso do seu silêncio
E nem mesmo Héracles poderia lhe aliviar
Das geleiras vindas de um seu olhar.

Quem sabe não sou eu
A Mão e a Luva
A esmeralda e o Camafeu
O Príncipe e o Mendigo
Frankenstein O Moderno Prometeu
Talvez eu seja apenas um seu amigo
Ou apenas um Tolo Apaixonado.

Quando se tornas sutis os limites que separam
Insensatez e Bom Senso, Loucura e Razão
Forma e Tamanho, Cor e Padrão
Quando Motivação se funde com Desânimo
E Homônimos se confundem com Antônimos
Trate de tomar cuidado:
Não seja você como eu algum Tolo Apaixonado.

Após um dia de chuva o Sol se torna mais forte
Mas essa Luz é falsa: são Falsos Ídolos, Falsos Deuses
Após a Tempestade vem a Temperança
Mera ilusão: eu tudo venci e ganhei
Mas no caminho deixei cair todas as Esperanças:
Eu me apaixonei pela última vez
Yeah!

Site

This entry was posted in Revista.
%d blogueiros gostam disto: