search instagram arrow-down

polifemo

Lasana Lukata

a Carmen Názara Besada

vieste pelos sete mares
mirando o horizonte e as estrelas,
guardaste teus vestidos roçagantes,
sobre tua nudez desceu a farda mitológica.

o navio ricocheteando pelos portos,
agora estás voltando a Ítaca
como a garça que regressa ao ninho.

seis meses é muito pouco, Gallega,
para subirem as velas,
uma viagem rápida e pequena
no mar antigramatical.
fica um pouco mais…
não adestraste cavalos-marinhos.
à beira da praia só chegam conchas vazias.
é preciso mergulhar…

Netuno anda mudado, enfraquecido ou
alternado de rigor e de brandura:
se te perseguiu por meses,
Ulisses foram anos, quantos danos…

estiveste separada da família,
mas anexada ao infinito,
do privado para o público
foi subtração e adição,
palidez e rubidez…
há descidas e subidas
como a proa que retorna do abismo.

só as impetuosas inclinam-se ao delírio
na contextura náutica das ondas.
agora que desvelejas, renavega as letras,
titânicas palavras…

e perdão se te persigo com poemas,
se enchi o mar de versos,
mas deixaste no Rio de Janeiro
um ciclope cego por ti.

This entry was posted in Revista.
%d blogueiros gostam disto: